Quais os Tratamentos actuais ?

O rastreio auditivo consiste na busca numa determinada população dos indivíduos que apresentam uma deficiência auditiva. Para isso, são utilizados diferentes testes que podem necessitar ou não da intervenção do sujeito. Esta investigação tem o objectivo de chegar rapidamente a um diagnóstico, isto é identificar uma doença. Seguidamente é possível realizar a reabilitação em função do défice auditivo, da idade ou de outros problemas associados que o indivíduo apresente.

O rastreio em função da idade

O rastreio das das crianças em risco de apresentarem deficiências auditivas pode ser realizada de forma rápida, automática e indolor desde o nascimento.

Em determinados países esse rastreio é universal, sendo realizado a todos os recém nascidos.

Na escola, a medicina escolar está habilitada a detectar os problemas de audição nas suas consultas. Paralelamente, é importante que os pais, os educadores e os médicos que contactam com as crianças estejam atentos ás alterações do comportamento das crianças que possam apontar para deficiência auditiva e as enviem a uma consulta do ORL.
 
Nos adultos, os programas de rastreio devem ser iniciados entre os 45 e os 50 anos, no âmbito da medicina do trabalho, sobretudo em profissões de risco (trabalho em ambiente ruidoso, militares, etc.). Na população geral, deverá ser realizado um estudo auditivo no mesmo período etário, durante uma consulta de ORL. Nos adultos que apresentem problemas cognitivos esta avaliação é ainda mais importante, pois o tratamento dos défices auditivos pode retardar a evolução das doenças neurológicas.

Meios utilizados para estudar a função auditiva

Uma vez detectado um indivíduo em risco de surdez, é necessário realizar testes mais especializados que permitam definir as características da surdez, se ela existir, e determinar a reabilitação mais adequada.

As otoemissões acústicas (OEA)

É o teste de rastreio mais utilizado nos recém-nascidos, sendo rápido e indolor. Uma sonda, do tamanho dum auricular, é colocada no ouvido do bebé e recolhe informações que reflectem o estado de certas células sensitivas fundamentais à audição. Uma resposta negativa a este teste obriga à confirmação, utilizando outros testes, que permitam o diagnóstico da perda auditiva e da sua severidade.

Os potenciais evocados auditivos (PEA ou BER)

Colocam-se eléctrodos na cabeça do paciente que permitem registar a actividade eléctrica do cérebro em resposta à estimulação do ouvido com sons. O estudo das características dessa actividade permite definir o estado da audição. Na imagem estão representados uns PEA normais (curva azul), e uns anormais (curva vermelha) que demonstram uma surdez.

A audiometria tonal

A audiometria tonal

Nos adultos e em crianças com idade superior a 5 anos, é o teste mais utilizado na pesquisa dos limiares auditivo, ou seja na avaliação da geral da audição. Neste exame é necessário que o sujeito seja apto a compreender conselhos dados pelo audiologista para indicar se ouve ou não o som e ter a capacidade de se concentrar na pesquisa dos sons emitidos. Normalmente estudam-se as frequências entre 125Hz (graves) e 8000Hz (agudos).

A audimetria tonal pode também ser utilizada como teste de rastreio em medicina escolar e do trabalho, pois permite identificar os indivíduos que podem apresentar surdez.

Nas crianças muito pequenas, pode ser utilizada no diagnóstico de surdez pesquisando reacções reflexas dos bebés (pestanejos, paragem da sucção, sorriso, etc.) e reflexos de orientação (voltar os olhos ou a cabeça para a fonte sonora) em resposta a sons fortes e súbitos.

Em crianças um pouco mais velhas, podem-se utilizar comportamentos condicionados, como pedir á criança que carregue num botão quando ouvir um som.

A audiometria vocal

Este exame permite avaliar a compreensão da palavra. Com esse objectivo, pede-se ao sujeito que repita correctamente palavras correntes e simples.

No gráfico aolado, a curva azul representa o audiograma vocal dum indivíduo normouvinte. A curva vermelha mostra o audiograma dum indivíduo surdo; ele só começa a entender a partir dos 65 dB e nunca consegue atingir 100% de discriminação, mesmo que se aumente a intensidade, traduzindo dificuldades de compreensão importantes.

Nota: cada um destes testes avalia de forma diferente e complementar o estado da audição. Por este motivo, os médicos associam-nos para poder obter um diagnóstico o mais preciso possível.

Os graus de surdez

Os testes de diagnóstico (dos quais os mais correntes acabamos de descrever) permitem caracterizar o tipo de surdez (ver " O que é uma surdez") e a sua gravidade ou grau.

Segundo o Comité Internacional da Surdez, o grau de surdez corresponde à média aritmética dos limiares en dB, obtidos na audiometria tonal, nas frequências 500, 1000, 2000 e 4000Hz. Por exemplo, o grau de surdez do paciente cujos limiares são os representados no audiograma tonal apresentado acima é: (0+5+10+70)/4=21,25dB; ou seja, tem uma surdez ligeira.

Os graus de surdez
  • Surdez ligeira : Compreende bem a palavra à intensidade vocal normal, mas em voz baixa ou à distancia já tem dificuldades. A maioria dos sons do quotidiano são ouvidos.
  • Surdez moderada : Compreende a palavra se se aumentar a intensidade vocal. O indivíduo tem tendência a complementar a audição com a leitura labial. Os sons do quotidiano são ainda ouvidos.
  • Surdez severa : Compreende a palavra em voz forte e próximo da orelha. Só ouve os barulhos intensos.
  • Surdez profunda : A compreensão da palavra é impossível. Só se apercebe de barulhos muito intensos.
  • Surdez total ou cofose : A perda média é de 120 dB. Nenhum som é percebido.

Note que uma surdez não se mede em percentagem mas sim em dB de perda auditiva!! Dizer que tem uma surdez de 50% não tem qualquer significado. Deve dizer-se: tenho uma perda de 50 dB.

Por outro lado, é importante precisar que o grau de surdez não se limita a uma medida aritmética e que se deve ter em conta a incapacidade e o incomodo para o paciente e para os que o rodeiam.

Última atualização: 2016/05/10 17:54