Percepção: generalidades

A percepção auditiva é a interpretação e a compreenção do ambiente sonoro que nos rodeia realizado pelo nosso cérebro.
O silencio absoluto só existe no vazio: Estamos permanentemente rodeados de fontes sonoras, úteis ou parasitas,que nos chegam simultaneamente ou alternativamente. No entanto, como fazemos a selecção de todos estes sons? Esquemáticamente, o ouvido codifica as diferentes mensagens sonoras que nos chegam e é o cérebro que tem a capacidade de "reconstrui-las" e "seleciona-las" graças à intervenção da atenção e da memória (veja a página "como ouço"). Isto permite-nos, por exemplo, reconhecer diferentes vozes, compreendera fala, seguir uma conversação apesar da presença de de ruidos perturbadores,ou distinguir os diferentes elementos dum som complexo e disfrutar da música.

As sensações auditivas

As características fundamentais da sensação auditiva são: a sonoridade, a tonalidade e o timbre.

  • A sonoridade é a sensação de intensidade: permite-nos afirmar se o som é mais forte ou mais fraco.
  • A tonalidade é a sensação ligada à frequência: Permite-nos saber se o som é mais agudo ou mais grave.
  • O timbre é a característica que nos permite diferenciar da mesma intensidade e tonalidade. A voz de cada pessoa tem um timbre próprio; o mesmo sucede com os vários instrumentos musicais, cada um tem o o seu timbre próprio.

Audição binaural

Quando se ouve um som, cada um dos nossos ouvidos recebe uma informação diferente, produzindo a audição binaural. Como sucede na visão com a visão binocular, a diferença na informação auditiva captada por cada ouvido é necessária para dar "tridimencionalidade" ao som (é a audição estereofónica).

Quando o mesmo som chega aos dois ouvidos (som 2), a percepção da intensidade é maior que quando chega só a um dos ouvidos (som 1 e 3).

Som 1

Som 2

Som 3

Se possível, ouvir os sons diferentes com auriculares de ouvido

A localização do som no plano horizontal

Com um unico ouvido não é possível determinar a origem do som. São as diferenças de intensidade e de tempo na chegada das ondas aos nossos ouvidos que permitem determinar a posição (ver animação).

Quando a fonte sonora se encontra de um dos lados, a onda sonora, que se atenua com a distância, chega primeiro ao ouvido que está directamente exposto, (na imagem o ouvido esquerdo), depois contorna a cabeça e chega ao ouvido oposto (aqui o ouvido direito).
 
Resultado: os dois ouvidos recebem um som desfazado no tempo e de intensidade diferente. Este é o mecanismo básico que o cérebro utiliza para a localização do som no espaço. Neste exemplo, um individuo de olhos fechados é capaz de dizer "o altifalante está do lado esquerdo". No entanto é mais difícil avaliar a distancia a que ele se encontra.

Análise dum ambiente auditivo

Na realidade, confrontamo-nos constantemente com múltiplas fontes sonoras. A análise do ambiente auditivo baseia-se nas propriedades da audição binaural que acabamos de descrever, sobre as quais se juntam as informações frequênciais que provêem de outras fontes sonoras.

De forma esquemática, como se mostra na animação abaixo, somos capazes de analizar, organizar e reconstruir os diversos elementos sonoros que nos rodeiam.

Inicialmente, a personagem que que está na entrada da sala percebe um conjunto de sons um pouco caóticos: a soma de todas as fontes sonoras da sala ...

... pouco a pouco, reconhece cada uma das fontes (rádio, ventilador, gato, relógio e telefone) e dirigir-se-à ao telefone que está a tocar e que lhe parece "prioritário". Durante a conversa telefónica que vai mantendo, a nossa personagem vai "esquecer" momentaneamente as outras fontes sonoras.

É o mesmo tipo de fenómeno que nos permite, no reboliço duma recepção, com um fundo musical, centrar a nossa atenção na conversa duma pessoa próxima.

Última atualização: 2016/08/10 14:55